Arquivo mensais:maio 2013

Manhã sem Nuvens

Manhã sem Nuvens Tratado escrito por

J.C.Ryle

 BAIXE EM PDF

BAIXE EM EPUB

BAIXE EM MOBI PARA KINDLE 

Disse o Deus de Israel, a Rocha de Israel a mim me falou: Aquele que domina com justiça sobre os homens, que domina no temor de Deus, é como a luz da manhã, quando sai o sol, como em manhã sem nuvens, cujo esplendor, depois da chuva, faz brotar da terra a erva. Não está assim com Deus a minha casa? Pois estabeleceu comigo uma aliança eterna, em tudo bem definida e segura. Não me fará Ele, prosperar toda a minha salvação e a minha esperança? (2 Samuel 23:3-5)

Esse texto é retirado de um capítulo que deve ser de muito interesse para todo Cristão. Ele começa com uma expressão tocante: “São estas as últimas palavras de Davi”.

Se quer dizer que “essas são as últimas palavras que Davi falou por inspiração como um salmista” ou “essas são as palavras que estão entre os últimos dizeres de Davi antes de sua morte” pouco importa. Em ambos os pontos de vista, a frase sugere muitos pensamentos. Continue lendo

Incredulidade: Uma Maravilha

Incredulidade; uma maravilhaUm sermão escrito por

J.C.Ryle

E publicado em forma de tratado

Sem data

 BAIXE EM PDF

BAIXE EM EPUB

BAIXE EM MOBI PARA KINDLE

“Ele admirou-se da incredulidade deles”. Marcos 6:6.

O texto que encabeça esta página é uma passagem muito notável. De todas as expressões nos quatro Evangelhos que mostram o Senhor Jesus Cristo que era verdadeiramente Homem, nenhuma talvez seja mais surpreendente do que esta. Que Ele que nasceu da Virgem Maria, e teve um corpo como o nosso, sentiu fome e sede, chorou e se alegrou, se cansou e teve dor — tudo isso nós podemos, em certo grau, entender. Mas que ele que era verdadeiramente Deus assim como verdadeiramente Homem, Ele “em quem habita corporalmente toda a plenitude da divindade”, Ele em quem foram “escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência”, Ele que “sabia o que estava no homem” — que Ele se “admiraria” com qualquer coisa aqui embaixo, pode muito bem nos encher de admiração. Mas o que dizem as Escrituras? Lá está escrito em claras palavras, as quais nenhuma inventividade criativa pode justificar — “Ele admirou-se da incredulidade deles”. Continue lendo

Contentamento

contentamento RyleTexto do livro “Shall We Know One Another

Escrito pelo Bispo da Diocese da

Igreja da Inglaterra em Liverpool

J.C.Ryle

E publicado em 1885

 BAIXE EM PDF

BAIXE EM EPUB

BAIXE EM MOBI P/ KINDLE

 “Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.” Hebreus 13:5

 

As palavras que encabeçam esse papel são falas breves, e frequentemente custam pouco ao orador. Nada é mais barato que um bom conselho. Todos acham que podem dar os melhores conselhos aos seus vizinhos, e dizer-lhes exatamente o que precisam fazer.

No entanto, colocar em prática a lição que encabeça esse papel é muito difícil. Falar de contentamento em dias de saúde e de prosperidade é suficientemente fácil; para esses, contentamento em meio à pobreza, doença, tribulações, desapontamentos e perdas, é um estado mental que muito poucos podem alcançar.

Vamos retornar à Bíblia e ver como ela trata essa grande tarefa do contentamento. Vamos notar como o grande apóstolo dos gentios fala quando persuade os cristãos hebreus à estarem contentes. Eles aceitam suas ordenanças por um bom motivo. Ele não diz isso sem um fundamento, “esteja contente”, mas ele adiciona palavras que soariam aos ouvidos de todos os que lerem essa carta, e animam seus corações para uma luta: “contentando-vos” ele diz “com tudo que você tem, porque Ele disse – Eu nunca os deixarei, jamais os abandonarei”. Continue lendo

Vinde

Capa VindeTratado escrito por

J.C.Ryle

1º Bispo da Diocese Anglicana de Liverpool, Inglaterra

 BAIXE EM PDF

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos,

e eu vos aliviarei”. Mateus 11: 28.

Leitor,

O título desse tratado é curto, mas o assunto que desdobra é de grande importância. É a primeira palavra de um texto das Escrituras que merece ser escrito com letras de ouro. Ofereço esse texto como um convite de amigo, peço que você olhe para ele e pondere, porque pode vir a salvar sua alma!

Nossos anos estão passando rápido e à medida que cada época do ano vai chegando, ouvimos falar sobre reuniões e convites: páscoa, semana de Pentecostes, festa de São Miguel e Natal são momentos em que as pessoas convidam seus amigos a virem às suas casas. Mas há um convite que exige nossa atenção durante todos os dias do ano, esse convite eu lhe trago hoje. Talvez seja diferente de todos os que você já recebeu, mas é de importância inexplicável, porque diz respeito à felicidade eterna de sua alma.

Leitor, não se assuste quando ler essas palavras. Não quero estragar seus prazeres, precavendo-se sempre de que seus prazeres não estejam misturados com o pecado. Sei que há tempo para rir e tempo para chorar, mas quero que você seja cuidadoso, tanto quanto feliz; que seja ponderado, tanto quanto jovial. Alguns, que há um ano estavam vivos, perderam a semana de Pentecostes; tem aqueles também que todo ano se reúnem em volta da lareira no Natal mas que daqui a um ano, estarão deitados em suas covas.

Leitor, quanto tempo você tem de vida? Você estará vivo na próxima semana de Pentecostes ou no Natal? Mais uma vez peço para que escute o convite que lhe trago hoje, tenho uma mensagem do meu Mestre para você. Ele diz, “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”.

Os quatro pontos abaixo serão tratados no texto, e a eles peço que volte sua atenção, tendo em vista que em cada um desses pontos, tenho algo a dizer.

I. Primeiro. Quem é o Orador desse convite?

II. Segundo. A quem este convite foi endereçado?

III. Terceiro. O que o Orador pede para que você faça?

IV. Último. O que o Orador oferece?

Que o Espírito Santo abençoe a leitura desse tratado para seu benefício eterno. Que esse dia seja um dia especial a ser lembrado na história da sua alma!

I. Em primeiro lugar, quem é o Orador do convite que encabeça esse tratado? Quem é esse que convida de forma tão sincera e oferece em grande medida? Quem é esse que diz à sua consciência, hoje, “Venha, venha até mim”?

  Continue lendo

A Religião Evangélica

capa_ryle_model

Capítulo do livro “Laços Desfeitos”

Primeiramente publicado em 1877

Por J.C. Ryle

1º Bispo da Diocese da

Igreja da Inglaterra em Liverpool

 BAIXE EM PDF

BAIXE EM EPUB

BAIXE EM MOBI

Pode ser estabelecido como regra, com confiança tolerável, que a ausência de definições precisas é a vida de controvérsia religiosa. Se os homens apenas definissem com precisão os termos teológicos que eles usam, muitas disputas iriam morrer. Dezenas de disputantes excitados iriam descobrir que eles não diferem muito, e que suas disputas têm surgido de sua própria negligência do grande dever de explicar o significado das palavras.

Na abertura do tema deste trabalho, desejo lembrar cuidadosamente esta regra importante. Sem prefácio adicional, começarei por explicar o que quero dizer quando falo de “Religião Evangélica”.

Por “Religião Evangélica”, eu não quero dizer o Cristianismo em relação ao Paganismo, ou o Protestantismo em relação ao Romanismo, ou Trinitarianismo em relação ao Socinianismo ou Deísmo. Não me proponho a discutir com o Cético ou o Modernista, com o Papista ou o Judeu. O que eu quero considerar é a religião que é peculiar a esse partido na Igreja da Inglaterra, que é comumente chamado de “Evangélico”. A esse ponto eu limitarei a mim mesmo, e a isso somente. Continue lendo